Foco no problema ou na solução ?

Essa semana estava em casa conversando com o marceneiro que contratei para “fazer” os armários da cozinha de minha casa. O marceneiro foi ágil desde o levantamento de requisitos, preparação do protótipo e do projeto até a entrega do projeto. Ele optou por um material de mais qualidade e por comprar o armário já completamente cortado e já pré-fabricado baseado no “Framework” padrão dele de armários de cozinha para o meu prédio o que otimizou o trabalho dele em apenas três dias.

 

Durante a montagem já no primeiro dia ele comentou comigo se eu não ficaria chateado achando que ele estava ganhando muito por que ele conseguia entregar o trabalho dele de forma tão rápida, com qualidade e no prazo. Eu dei muita risada dele nesse momento e falei que até pagaria mais para ter o meu projeto sem a mínima dor de cabeça.

 

Dai ele ficou mais tranquilo e lembrou o caso do “Ovo de Colombo” tão conhecido por nós. Onde Colombo propôs aos presentes o desafio de colocar um ovo de galinha em pé. Após ninguém conseguir ele bateu uma das pontas de colocou o mesmo. Após observarem falaram  “Assim é fácil” e ele respondeu “E por que vocês não fizeram” ?

 

Eu lembrei a ele de outro caso conhecido que é “Qual parafuso apertar?” bastante conhecido também. Esse exemplo fala rapidamente de um especialista que foi chamado para resolver um grande problema e ao apresentar o custos ele cobrou R$ 0.01 pelo parafuso gasto e R$ 999,00 pelo aperto do parafuso certo. Ou seja! Não importa o tempo gasto e sim o resultado.

 

Nós temos ainda na cultura que o tempo gasto para fazer uma atividade é o fator que representa o custo e o resultado do projeto. Em algumas áreas isso já está mudando e mesmo na área de tecnologia ainda encontramos resistências. Outro dia eu estava em um cliente e apresentei uma proposta de trabalho. Ele questionou se íamos fazer tudo aquilo de forma tão rápida sem fazer nenhuma conta do ROI (return on investment). Eu respondi para ele se ele queria um profissional qualquer lá no projeto dele durante um mês apenas olhando para ele para “contar” o tempo ou um especialista para resolver o problema do projeto.

[],
Ramon Durães